A Parábola do Filho Pródigo e o Amor de Deus

 

Por Hieromonge Gregory, da Cela Koutloumousiou de São João, o Teólogo, Monte Athos


 

Com Seus ensinamentos e Sacrifício na Cruz, Jesus Cristo nos revelou a Verdade sobre Deus, o Pai. Isto é porque "Deus o Pai é visível apenas pelo o Seu Filho unigênito". Foi-nos assegurado o mesmo pelo evangelista e teólogo João: "Ninguém jamais viu a Deus, mas o Filho unigênito, que está no seio do Pai, o fez conhecido" (João 1:18).


 

Cristo, portanto, fez de Deus Pai conhecido como amor paternal, continuamente oferecido às pessoas. E para entender essa verdade, Cristo usou uma parábola, a Parábola do filho pródigo.


 

Um certo homem


 

O Senhor chama a si mesmo “homem” nesta parábola, o que não é estranho de forma alguma. Pois se Ele realmente se tornou homem para a nossa salvação, por que seria estranho identificar-se como um homem em nosso benefício, Aquele que é O Protetor de nossas almas e corpos, como o Senhor e Criador de ambos? Ele que exibiu trabalhos de amor e cuidado excessivo por nós, mesmo antes de termos sido criados?


 

Toda a criação é uma efusão do amor divino. São Gregório, o Teólogo, diz:


 

"Não era suficiente para o Deus benevolente mover-se apenas na teoria de Si mesmo, mas Sua bondade divina tinha que derramar e espalhar-se, para que a beneficência do bom Deus aumentasse; e esta é a prova de Sua infinita bondade."


 

É por isso que Deus originalmente criou os poderes angélicos. Então "Ele criou um segundo mundo, material e visível", ou seja, todo o universo que nos rodeia.


 

A criação é um movimento amoroso de Deus. São Dionísio, o Aeropagita, teologiza:


 

"Toda a causa do universo, na bela e boa superabundância de Seu benigno eros para todos, também é levada para fora de Si mesmo no cuidado amoroso que Ele tem por tudo. Ele é, por assim dizer, seduzido pela bondade, pelo amor e pelo eros, e é atraído para longe de sua morada transcendente e passa a habitar em todas as coisas, e ele o faz por meio de sua capacidade sobrenatural e extática de permanecer, mesmo assim, dentro de Si. É por isso que aqueles dotados de discernimento espiritual O descrevem como zeloso ', porque o seu bom eros para todas as coisas é tão grande, e porque desperta nos homens um desejo profundo de zelo ”. ... "Por que, entretanto, os teólogos às vezes se referem a Deus como Eros e Amor e às vezes como o Desejado e como o Amado? Por um lado Ele causa, produz, gera o que está sendo referido, e, por outro lado, Ele é a coisa em si. Ele é agitado por ela e agita-a. Ele é movido para isso e move-o. Por isso, chamam-No de Amado e Desejado - pois Ele é belo e bom; e eles O chamam de Eros e Amor porque Ele é o poder que ergue todas as coisas para Si, pois no final, o que é Ele, se não a Beleza e a Bondade, Aquele que de Si mesmo se revela, a boa procissão de Sua própria unidade transcendente?


 

É por isso que foi dito: "Deus é amor". Antes de Deus criar pessoas, Ele revelou Seu amor por nós. São Máximo, o Confessor escreve:


 

"Antes de nós, e em nosso favor, Ele criou os Anjos para, como o Apóstolo Paulo diz, ministrar-nos para a nossa futura salvação ... Antes de nós e em nosso favor, Ele estabeleceu a abóbada dos céus ... estabeleceu a terra em suas fundações, estendeu o mar ... Quanto ao nosso aperfeiçoamento moral e orientação para a virtude, o que nosso benevolente Mestre não fez? Esse mesmo universo observável foi feito por Deus como um espelho do mundo acima, de modo que, com a visão espiritual, podemos ascender, como uma escada maravilhosa, em direção ao mundo acima ".


 

O propósito da criação do mundo, e do próprio homem, era para que o homem se tornasse participante do amor divino. Porque "a luz não deveria ter permanecido invisível, e a glória divina sem testemunha, e a bondade divina sem regojizo. E as outras boas coisas divinas não deveriam ter permanecido inativas, isto é, sem alguém que se tornaria seu acionista".


 

Na medida em que o propósito da criação do homem era tornar-se participante das boas coisas divinas, "o homem era adornado por Deus com vida, razão, sabedoria e todas as coisas boas divinas, para que com cada uma delas pudesse desejar “Aquele que é bondade divina por natureza ". Todas essas coisas boas são expressas em uma frase: "a imagem de Deus".


 

Desde que Deus criou o homem, Ele o colocou no paraíso da bem-aventurança, onde ele deveria cultivá-lo e mantê-lo. No Paraíso, o homem vivia em comunhão com Deus, "onde Ele residia em Deus e era adornado com a glória do próprio Deus ... desfrutando do único doce fruto, ou seja, a visão de Seu rosto, como outro anjo". A visão de Deus era a alegria e alimento do primeiro homem criado.


 

A imagem de Deus coexiste no homem desde o princípio. Mas "para nos tornarmos a semelhança de Deus, alcançamos isso por nós mesmos com a nossa vontade ... O Senhor nos dá a capacidade de nos tornarmos semelhantes a Ele, Ele nos permite trabalhar para ser como Ele, e nosso salário celestial é revelado por nossas obras. "


 

Deus é amor, e a virtude que aperfeiçoará nossa semelhança com Deus é a virtude do amor. "Assim como em um ícone, quando a mais viva das cores é adicionada, então a semelhança com o original é alcançada ... o mesmo acontece com aqueles para quem a graça retrata a semelhança divina: adicionando a luz do amor, mostra que a imagem de Deus é encontrada no brilho de Sua semelhança ".


 

O homem se parece com Deus através do amor. "Todos os santos alcançam a perfeição e se tornam como Deus no transbordamento de seu amor e de sua filantropia para com todos. O sinal de que os santos estão buscando semelhança com Deus é amor perfeito."


 

O homem tinha dois filhos


 

A parábola fala de dois filhos, porque "o único homem é diferenciado pela divisão de duas vontades, a distinção entre “virtude e mal”, dividindo a humanidade em duas categorias". Na parábola Cristo chama o homem: "o filantrópico Deus e Pai, e seus filhos são todos os justos e pecadores. Deus é o Pai dos justos e pecadores, porque todos foram adotados através do Santo Batismo, uma vez que a parábola é dirigida a os fiéis."


 

Deus é chamado homem que tem dois filhos. Com o relacionamento amoroso entre um pai e seus filhos, Cristo nos revela que Deus é amor. Ele é "a fonte do amor" da qual as pessoas recebem o amor. E porque o amor é mais poderosamente expresso no relacionamento entre um pai e seus filhos, Deus se chama o Pai de todos nós. Pois se Deus "se tornou homem por nossa causa, Ele também nos regenerou através do Santo Batismo". Nas primeiras palavras dessa parábola, vemos que Cristo revela a grandeza e a essência do amor de Deus.


 

Deus é amor e o homem foi criado à sua imagem, de modo que o homem é uma imagem de amor. O homem residia no paraíso para participar do amor de Deus, pois "o paraíso é o amor de Deus". Mas o homem não honrou os dons divinos e escolheu a morte em vez da vida, o ódio em vez do amor. Portanto, quando o filho pródigo deixou o Paraíso para uma terra distante, ele deixou esse Amor.


Ele se retirou do Pai que ama Seus filhos e do lar abençoado de Seu amor paterno.

 

 

Tradução: Hipodiácono Paísios

احتفالات حزيران

Rua Vergueiro, 1515, Paraíso, CEP: 04101-000 - São Paulo / Brasil

Tronco Chave : + 55 (11) 5907-8610   ***   E-mail: catedralortodoxa@uol.com.br

 

 

 

© Copyright 2015 IGREJA ORTODOXA ANTIOQUINA - BRASIL

All Rights Reserved * Web Design by Catedral Ortodoxa IT Team

  • Wix Facebook page
  • YouTube Classic